Johnny Depp será rei francês Luís XV em novo filme

Johnny Depp será rei francês Luís XV em novo filme

Após as controvérsias em torno das acusações de violência doméstica feitas pela ex-esposa Amber Heard, Johnny Depp terá seu retorno aos cinemas. Depois de sua demissão na franquia “Animais Fantásticos”, sendo substituído por Mads Mikkelsen, este será o primeiro filme do eterno Capitão Jack Sparrow desde o longa “Minamata” de Andrew Levita lançado em 2020 sobre o fotógrafo de guerra W. Eugene Smith. Para este novo longa, Johnny Depp interpretará o rei francês Luís XV em filme dirigido pela francesa Maïwenn (“Polissia”). Segundo a Variety, as gravações começarão no meio do ano.

O filme, cujo título e enredo ainda é mantido em segredo, será produzido pela produtora parisiense Why Not Productions, de Pascal Caucheteux e Gregoire Sorlat, responsável por “O Profeta”, com a Wild Bunch International responsável pelas vendas mundiais. As gravações serão realizadas por três meses em locações pelas paisagens parisienses, em sua maioria no Palácio de Versailles. A atriz e diretora Maïwenn estrelará como Jeanne du Barry, uma condessa que foi a última amante de Luís XV.

Luís XV, que foi apelidado como “o amável”, reinou por 59 anos, o maior tempo na história da França após Luís XIV. Em um paradoxo, Luís XV morreu como um rei impopular depois de acusações de deboche e corrupção.

Após ser preterido em Hollywood diante das acusações da ex-esposa e seu processo de difamação contra o tablóide inglês The Sun, Johnny Depp não enfrentou muitas reações negativas na Europa, tendo recebido recentemente prêmios honorários no Karlovy Vary Festival e no San Sebastian Film Festival, além de homenagem no Deauville American Film Festival na Normandia francesa em 2020. O ator precisará melhorar um pouco seu francês, embora tenha vivido no país por alguns anos com Vanessa Paradis, com quem ele tem uma filha, Lily Rose Depp, mas ainda possui um notável sotaque americano.

O filme de época também marcará uma mudança de Maïwenn, uma atriz que se tornou diretora cujos filmes são contemporâneos e geralmente pessoais. Seu último filme, “DNA”, um drama familiar, fez parte da Seleção Oficial de Cannes em 2020. O longa anterior, “Meu Rei”, rendeu à estrela Emmanuelle Bercot o prêmio de melhor atriz em Cannes em 2015, enquanto o drama “Polissia” de 2011 ganhou o prêmio do júri em Cannes.

Sigam-me os bons: