Netflix está desenvolvendo série animada de “Ghostbusters”

Netflix está desenvolvendo série animada de “Ghostbusters”

Uma nova série animada “Ghostbusters” está em desenvolvimento na Netflix. A série vem da Sony Pictures Animation, com Jason Reitman e Gil Kenan da Ghost Corps, Inc. a bordo como produtores executivos. Reitman e Kenan recentemente co-escreveram o longa-metragem “Ghostbusters: Mais Além”, com Reitman também dirigindo.

Os detalhes exatos da trama da nova série animada estão sendo mantidos em sigilo. Nenhum roteirista está anexado no momento desta publicação. A produção será realizada pela Netflix e pela Ghost Corps, Inc., que tem sede na Columbia Pictures da Sony.

Caso o projeto vá para a série, seria a terceira série animada de “Caça-Fantasmas” na história da franquia. Anteriormente, “The Real Ghostbusters” foi ao ar por 140 episódios, principalmente na ABC e em distribuição, de 1986 a 1991. Ele continuou as aventuras dos personagens do filme original. Foi seguido por “Extreme Ghostbusters”, que foi ao ar por 40 episódios em distribuição. Esse show contou com uma nova formação de personagens, embora a equipe fosse liderada por Egon Spengler.

A franquia “Os Caça-Fantasmas” foi lançada em 1984 com o primeiro filme, dirigido por Ivan Reitman (pai de Jason) e co-escrito pelos astros Dan Aykroyd e Harold Ramis. Isso foi seguido por “Os Caça-Fantasmas 2” em 1989, que trouxe de volta o elenco original e a equipe criativa. Paul Feig dirigiu o filme de reinicialização “Caça-Fantasmas” em 2014. “Ghostbusters: Mais Além” estreou em novembro de 2021. Foi bem recebido pela crítica e arrecadou quase US$ 200 milhões em todo o mundo contra um orçamento relatado de US$ 75 milhões.

As notícias da nova série animada chegam na celebração anual do “Ghostbusters Day”, durante a qual Jason Reitman e Kenan devem revelar mais sobre futuros projetos de “Caça-Fantasmas”. Os outros créditos de Reitman incluem filmes como “Amor sem Escalas” e “Juno”, enquanto Kenan dirigiu anteriormente o filme de animação “A Casa Monstro”.

Sigam-me os bons: