Crítica: The Flash – 4×07 – Therefore I Am

Crítica: The Flash – 4×07 – Therefore I Am

O texto a seguir é uma crítica referente ao episódio 4×07 da série The Flash. Se você ainda não assistiu, já puxa o freio de mão que vem spoiler daqui pra baixo.

Episódio mais sério e misterioso da temporada nos deixa com um apetite por mais do vilão mais perigoso dos quatro anos de The Flash.

O episódio é regado com ótimos flashbacks devidamente inseridos em meio à linha do tempo atual. Temos o professor Clifford DeVoe em seus momentos pré-meta e o motivo e forma em que ele adquiriu seu intelecto. Além disso, é ótimo revisitar cenas anteriores como a explosão do acelerador de partículas com novas cenas em meio às antigas… e ver que Dr. Wells/Thawne reconheceu DeVoe.

Em um jogo de gato e rato, vale lembrar o tom de mistério que o episódio se banhou por todo o tempo. As músicas de fundo também deram maior ar de perigo para as situações e o iminente desafio nos deixa com mais água na boca para ver o embate da temporada.

Começamos o episódio com a atuação do casal DeVoe em se passar por um casal normal e santo para Joe e Barry. Mas o velocista não aceita a farsa em nenhum momento. Fixado com a ideia de que esse é o DeVoe certo, Barry tem diversos momentos dignos de um cabeça dura, não aceitando as negações dos seus amigos ou até mesmo a vibração de Cisco.

Eis que em momentos de pura desconfiança do herói que ele começa a agir por impulso e invade a casa de DeVoe procurando por algo que o incrimine. Um erro tolo se você levar em conta que esse é o vilão mais esperto de todos. Ele achou que só atravessar a porta e paredes seria suficiente para ficar invisível na casa? Barry cai igual um pato no jogo de Marlize e Clifford DeVoe e ganha de presente um afastamento na Polícia e uma ordem de restrição.

Mas ainda assim, Barry não aceita e confronta mais uma vez DeVoe. E então, a máscara de coitado do vilão finalmente cai… na verdade, é tirada. O Pensador sabe tudo que rodeia a vida do Time Flash e joga as cartas na mesa para Barry. Isso dá mais um ar do quanto é perigoso: Ser descoberto como o algoz do herói mas mesmo assim ainda jogar na cara do Velocista que é superior.

Talvez tenhamos aqui, de fato, o vilão mais perigoso de The Flash. Como a própria conversa do casal West-Allen mostra, Barry tem muito mais a perder nesse momento e enfrenta alguém que possui um intelecto além do que é possível imaginar. Sorte que Savitar deu uma dica de como bloquear O Pensador.

O episódio foi ótimo, merecendo uma nota 9. Os diálogos dos personagens aumentaram o suspense. Até mesmo o discurso motivacional na conversa entre Iris e Barry foi bem montado, embora a grande crítica dos fãs com a frase “nós somos o Flash” tenha sido dita. O episódio foi mais pesado que o restante da temporada, mas utilizou muito bem a temática mais séria do vilão, que justifica a ausência de Ralph e menos conversas engraçadas no Star Labs. Outro ponto bom é que, aparentemente, Wally está de volta, mesmo que seja para justificar sua presença no Mega Crossover da próxima semana.

Na próxima semana, o Tio Du vai fazer uma crítica somente para toda a história do crossover Crise na Terra-X, visto que são episódios de Supergirl, Arrow, Legends of Tomorrow e a queridinha The Flash. Aguardem!

Sigam-me os bons: