Crítica: The Flash – 5×14 – Cause and XS

Crítica: The Flash – 5×14 – Cause and XS

“Cause and XS” mostra Nora correndo para salvar Iris após a repórter ficar em sério perigo. Barry está a ponto de finalizar a cura meta-humana, deixando Cisco com uma rara folga, enquanto ele decide convidar Kamilla para um encontro.

Caso você ainda não tenha assistido ao 14º episódio da 5ª temporada de The Flash, sugiro que não continue a partir daqui pois tem spoiler nas linhas abaixo.

O teaser do episódio da semana de The Flash prometia viagem no tempo feita pela filha do velocista e o que vemos em “Cause and XS” é muito mais incrível e um dos melhores episódios da série. Com direção de Danielle Panabaker, a Caitlin, a história dessa semana foi bela de se ver e de ficar com o coração acelerado em alguns momentos.

Além de ser o primeiro trabalho de direção da nossa Caitlin, foi muito bem feito. Com Nora voltando o tempo diversas vezes, as cenas do Cicada no terraço do prédio com diferentes reféns foram gravadas com maestria sob o olhar de Danielle. As tomadas com certa distância da cena em si também mostram uma possível assinatura da atriz e – agora – diretora.

Mas não é somente o trabalho da direção que merece ser elogiado. A montagem do episódio, por si só, já é algo para lembrar por algum tempo. Ao focar nas primeiras linhas do tempo vivenciadas por Nora e seu forte poder de retornar o tempo para um período específico tornou desnecessário ficar revivendo todas as cenas de novo e de novo. Para isso, o roteiro e as cenas levam mais um ponto positivo. Após falhar as primeiras vezes, vemos Nora agir como Barry em sua primeira viagem no tempo, sabendo qual seria o próximo passo e as próximas falas. Com a diferença de que Nora falha por 52 vezes. Número, claro, referencia o tão utilizado 52 do Universo da DC.

Ao ver os seus amigos e sua mãe morrerem em diversas maneiras diferentes, Nora persiste e tenta de todas as maneiras retornar e fazer de novo até conseguir, mas a frustração da velocista também é colocada de forma maravilhosa tanto pela sequência de cenas, mesmo que as rápidas, quanto pela boa atuação de Jessica Parker Kennedy.

Com o protagonismo de XS, podemos notar o que talvez pode ter sido o único ponto negativo do episódio: a ausência de Barry Allen. Novamente explicado apenas como “ele precisava estar em outro lugar”, o Velocista Escarlate tem presenças minúsculas em “Cause and XS”, destacando-se apenas seu “momento Jay Garrick” ao reviver as mesmas falas e o exemplo quando o primeiro velocista o retira da Força da Aceleração e quebra uma caneca em sua frente para mostrar que tudo tem consequência. Aliás, é a filha legítima de Barry mesmo. Rebootar uma linha do tempo até dar certo na 53ª vez, só podia ser cria dele.

Pelo menos, por um momento até que rápido, mas com timing correto, a ausência de Barry durante o episódio é bem explicada, quando Nora falha ao tentar acessar a Força da Aceleração e pedir a ajuda do pai. Porém, acredito que não seria tão ruim que ela conseguisse em algum momento tirá-lo de lá, mas que continuasse precisando voltar no tempo mesmo com a presença de seu pai. De qualquer forma, foi mais fácil simplesmente tirá-lo do foco durante o episódio para manter a atenção em Nora. Tudo bem.

Voltando aos elogios, os encontros de Cisco e Kamilla nos fizeram relembrar do Sr. Ramon-Nariz-Empinado, além de ser alívio cômico quando ele chega na pegada “estava tirando várias fotos” e termina sendo mais fofo legal quando ele finalmente age como ele mesmo e tem, finalmente, sucesso em seu encontro. É bom ver as versões diferentes de Carlos Valdes mais uma vez, já que o ator deverá sair do elenco no final desta temporada.

Cisco tem grande importância no episódio ao ter suas vibrações das linhas do tempo alternativas criadas, lembrando quando ele foi morto por Eobard Thawne no primeiro ano da série e sendo fundamental ao guiar Nora em como derrotar o vilão na 53ª versão da mesma hora do dia. Sabendo dos movimentos de cada participante e do vilão, é possível que o Time… Nora (?) consiga finalmente bolar um plano em que nenhum integrante da equipe tenha seu fim.

E. Que. Cena.

Numa ótima montagem de cena, podemos ver uma sequência com muitos maravilhosos efeitos ligando os poderes de Cisco, Caitlin, Ralph e Nora, além da presença de Iris. Ao retornar por pequenos momentos o tempo, a velocista consegue empurrar o vilão contra sua própria adaga (Neste momento eu pensei que a heroína ia jogar o Cicada do prédio, mas enfim).

O Tio Du avalia o episódio como uma ótima nota 9. Encerrei o episódio com a euforia de ter visto uma das melhores ações da série, embora tenha sentido uma grande falta de uma participação maior do titular da série. Por ser apenas o 14º episódio do 5º ano, eu esperava algo mais parado ou mais leve, mas “Cause and XS” nos dá tudo o que o fã precisava nesta altura da temporada. Além disso, a estreia de Danielle Panabaker na direção é digna de todos os elogios, assim como a atuação de – quase – todos os personagens. Ainda acho que Chris Klein, que interpreta o Cicada, ainda é muito forçado.

A série entra em um leve hiato a partir de agora, retornando em 5 de março apenas, com uma referência recente deixada por Nora que será mostrada no 15º episódio de The Flash. Com a luta entre Tubarão Rei e Grodd, a qual já tivemos um spoiler dado pela velocista, teremos o grande embate entre barbatanas e presas. Confira abaixo a promo legendada de “King Shark vs. Gorilla Grodd”:

Sigam-me os bons: