Crítica: The Flash – 5×07 – O Come, All Ye Faithful

Crítica: The Flash – 5×07 – O Come, All Ye Faithful

No episódio de Ação de Graças de The Flash, Barry segue novas pistas para descobrir quem é Cicada, enquanto uma nova vilã capaz de controlar o tempo aparece aterrorizando a cidade de Central City.

Se você ainda não assistiu ao 7º episódio ainda, puxa o freio de mão agora mesmo. Depois não diga que eu não avisei! Daqui pra baixo vem spoiler.

Com uma clara melhora em relação aos episódios anteriores, The Flash pode voltar a ter episódios com a alta categoria que merece se souber ser bem trabalhado pelos roteiristas e produtores. Neste episódio, podemos ver o desenrolar do vilão mais de perto, além da preocupação de Nora com o pai.

E é nesse ponto que se inicia o episódio e a crítica do Tio Du. Usando a dosagem correta de drama, “O Come, All Ye Faithful” coloca o grande impacto da vida heróica de Barry em foco. Mais do que isso, mostra também que sua filha se preocupa muito com a sua família. Tendo a possibilidade de viver ao lado do seu pai, Nora fica em choque (na verdade, o Barry que ficou ¯\_(ツ)_/¯ ) quando o velocista é atingido por um raio e simplesmente morre. Por mais que seja por alguns poucos segundos.

Importante ressaltar algo aqui: Com Legends of Tomorrow, aprendemos que os atos do presente demoram a se assentar no futuro, porém, em The Flash, aprendemos com Eddie Thawne que, se uma geração anterior à sua morre, você some. XS continuou ali e salvou seu pai a tempo, antes de sumir. O que pode significar três coisas: a) ele não chegou a morrer de fato, o que justifica a filha não sumir segundos depois; b) paradoxo do avô (procure mais online), só que sendo Barry como o “avô”; c) Iris já está grávida de Nora. De qualquer forma, a cena foi mais utilizada para o tema do episódio: a amizade e carinho entre seus amados durante o Ação de Graças.

Legal ver que Nora conseguiu criar em suas mãos o próprio desfribilador e salvar seu pai. Mais legal ainda foram os papos diretos de pai e filha quando a velocista argumenta, com razão, que Barry se arrisca demasiadamente, fato que corrobora com seu sumiço em 2024.

Paralelo a isso, somos apresentados à curta – mas importante – história de origem do vilão Cicada. Com apenas algumas cenas, foi o suficiente para sabermos quem Orlin é, de onde veio e suas motivações, mesmo que guiadas pela enfermeira (que mente). Com uma história de origem pequena, alguns fãs cogitam até que Cicada pode não ser o único grande vilão do 5º ano. Eu desacreditava, mas considerando o ritmo apresentado até o momento, pode acontecer.

Sobre a vilã do episódio, a Bruxa do Tempo, foi apresentada de maneira simples e até subvalorizada. Talvez fosse melhor colocá-la em um outro episódio de meio-de-temporada. Foi um dos adversários do Flash que mais causou danos ao velocista (conseguindo matá-lo sem nem aparecer em cena) e sua história prévia poderia ser melhor abordada. Afinal, ela é filha do Mago do Tempo e, mesmo com suas motivações simples, poderia ter ganhado mais tempo na tela.

O ponto humorístico do episódio ficou a cargo do trio (ou grupo) de Cisco, Caitlin/Nevasca e Sherloque, que foram mais úteis no episódio somente quando hackearam as câmeras do hospital e flagraram Orlin visitando sua “filha”.

A ausência de Ralph nem foi mencionada, enquanto Cecile e Joe tiveram seus nomes colocados apenas em um diálogo rápido para justificar o afastamento – por motivos de saúde – do ator Jesse L. Martin.

Para o Tio Du, o episódio 7 consegue uma nota semelhante ao do anterior, pois não considero que merecia uma avaliação melhor. Assim, fica com a nota 7, na esperança que os próximos episódios entreguem mais para os fãs. Somente dois episódios a mais restam para esse ano e devem ser nota 10 ou bem próximo. Isso porque o episódio da semana que vem é “apenas” o 100º da série e o seguinte faz parte do crossover de Elseworlds.

Na próxima semana, você pode conferir no teaser abaixo que Barry arriscará voltar no tempo novamente para impedir a criação do vilão Cicada antes mesmo de acontecer, mas fazendo isso, ele encontrará com grandes vilões do passado no 100º episódio da série, que foi dirigido por Tom Cavanagh.

Sigam-me os bons: