Crítica: The Flash – 5×03 – The Death of Vibe

Crítica: The Flash – 5×03 – The Death of Vibe

Com um título bem intuitivo e que nos deixou apreensivos, o Time Flash enfrenta o vilão da temporada novamente, enquanto Caitlin e Ralph saem em busca de mais pistas do pai da Dra. Snow. Além disso, uma nova versão de Harrison Wells dá as caras no episódio da semana de The Flash.

Nas últimas críticas, eu acabei esquecendo de avisar, mas, se você ainda não assistiu o episódio 5×03, sugerimos que você use o portal para uma Terra paralela em que você não continuou a ler este artigo.

Li algumas críticas de outros fãs de quadrinhos e de séries de heróis e vi algumas reclamações referentes ao excessivo drama da série e do peso dos ombros dos personagens que está sendo mostrado excessivamente neste começo de temporada e comecei a prestar a atenção nisso. Realmente, quando você foca apenas nisso, parece que qualquer cena de drama interno ou do grupo é forçado demais. Porém, se você gosta do Velocista Escarlate de verdade, você pode fazer como o Tio Du: Assistir tranquilo no sofá e aproveitar que o rapaz está nas telinhas correndo pra garantir a audiência de volta, o que se perdeu nestes primeiros episódios.

De fato, os produtores precisam se concentrar em muitas coisas. O risco de um cancelamento por baixa audiência poderá não ser tão iminente neste momento. Até porque a série passa no canal The CW, que já possui um pequeno número de telespectadores. O mais preocupante deve ser o fato de que The Flash já foi a mais assistida do canal mas está perdendo seu espaço.

O episódio dessa semana coloca um personagem em risco e a volta de Tom Cavanagh como uma nova versão de Harrison Wells na intenção de reconquistar alguns dos fãs perdidos. O que me preocupa no momento não foi nenhuma dessas situações, pois a história da suposta morte de Cisco foi preparada no episódio anterior – um ponto positivo para uma série que costumava colocar o problema e resolvê-lo dentro de 40 minutos. Além disso, a versão Harrison Sherloque Wells foi muito bem feita e cumpre a promessa da produção de trazer uma variante nunca antes vista de Tom Cavanagh, bem interpretada pelo mesmo, como sempre, e com um perfil bem montado para a série.

Minha preocupação, no momento, é outra: Novamente temos um embate entre o Time Flash contra o vilão da temporada Cicada. É apenas o terceiro episódio e o medo é de que tenhamos uns 15 de enrolação entre esses primeiros e o grande embate final. Já mencionei isso nas críticas anteriores e um novo confronto me passa o mesmo receio de novo. O pouca participação de Joe e Cecile é esperada mediante ao elenco maior, com Nora e Ralph como recorrentes, mas me deixa com uma certa saudade do “mentor/pai” de Barry. O velocista é colocado em evidência com o papel que foi de Joe, direcionado para Nora. Uma evolução do personagem que poderia ser trabalhada para temporadas futuras e não agora, mas tudo bem.

As referências estão presentes novamente e são outro ponto positivo, além da participação do novo Wells. É importante ressaltar que o Sherloque afirma com certeza que Cicada é David Hersch. De fato, nos quadrinhos do Flash, essa é a identidade utilizada pelo vilão. Na série, com a mudança de linha do tempo promovida por Nora (que será mencionada posteriormente, considerando as cenas finais do episódio), o alter-ego é diferente. Algo semelhante deve ocorrer com a pessoa que fez o atual uniforme do Flash mencionado na premiere: Ryan Choi é o terceiro a utilizar o manto do Eléktron (Atom) nos quadrinhos e pode ser apenas um outro ajudante do velocista no futuro.

Futuro este que é mostrado de forma rápida mas incrível com cenas de uma pequena Nora no museu do Flash em 2032. Mais algumas pistas são deixadas para novas histórias durante a temporada, o que pode ser o alívio para os episódios de enrolação no meio de temporada. Basta que os produtores e roteiristas consigam trabalhar bem tudo que foi incluído. O Tio Du confia nisso!

Tanto que confio que, em certo momento, quando ocorre a grande explosão no duelo Cicada x Cisco, eu acreditei por alguns segundos que o grande companheiro do velocista tinha ido dessa pra melhor. Porém, numa boa jogada de Nora, ao seguir os conselhos do pai, Cisco não está morto, mas o Vibro precisa morrer para que o vilão possa dar um breve sossego para o time.

O Tio Du está tentando deixar o lado fã de lado e considerar mais o lado crítico e avalia o episódio como nota 7. Não vou bater na mesma tecla de que acelerar embates com o grande vilão possa ser precipitado, mas encaro também que parece ser planejado pelos produtores. Mesmo a investigação à parte de Caitlin e Ralph, o mistério da vinda de Nora, o futuro crossover do Arrowverso e a história de fundo do Cicada podem ser preparadas para que se alinhem de uma forma que episódios enrolados não sejam necessários e a temporada consiga seguir no mesmo ritmo. Assim espero e torço!

Na próxima semana, o 5º episódio chamado “News Flash” vai ao ar na terça-feira e promete trazer mais da relação de Iris e Nora no futuro e uma provável luta entre pai e filha no que parece ser o mesmo estádio que o Flash Reverso deu um coro no Flash na primeira temporada. Confira a promo legendada abaixo e comente o que está achando da temporada até o momento!

 

Sigam-me os bons: