Crítica: The Flash – 5×01 – Nora

Crítica: The Flash – 5×01 – Nora

The Flash está de volta! Após uma espera de cerca de 5 meses, a série do Velocista Escarlate retorna à TV de onde parou. O título do episódio não é pra menos, visto que demos tchau à última temporada com o mistério sobre o que a filha de Barry e Iris estava fazendo nos dias atuais.

O episódio começa com o já conhecido monólogo. Contudo, a novidade: É Nora, do futuro, que conta sua história de mulher mais rápida viva, de quando vem e como é seu nome heróico: XS. E assim, a continuação imediata de onde paramos meses atrás tem pontos característicos do que a série The Flash é, com momentos de explicação dos fatos, com boas interrupções para as piadas de Cisco e Ralph, totalmente perdido nas reuniões de time.

Com Barry de volta ao CCPD, muitos casos de CSI estão pendentes e a filha dele se mostra em muitos momentos querendo a atenção de seu pai. Compreensível que ela esteja tentando isso e que os produtores tenham colocado essas cenas logo no primeiro episódio. Vale lembrar que o primeiro episódio de temporadas anteriores agilizou muitas coisas, como o Flashpoint, por exemplo. Mas isso parece ter ficado no passado e talvez a série comece a achar o ritmo correto, já que alguns episódios da 3ª e 4ª temporada estavam lá só para encher linguiça.

O humor presente no episódio é colocada em uma boa dose, seja no momento constrangedor entre Iris e Nora no Jitters, ou quando a filha do casal West-Allen se empolga demais com as histórias do pai e conta coisas a mais do que deveria, sendo até interrompida por um “Spoiler alert” dito por Cisco.

Além disso, Ralph passa a ser a nossa nova versão fã na série, cargo que ficava com Joe. Dibny solta um dos maiores questionamentos dos espectadores da série em uma conversa com Caitlin:

Se Eddie queria apagar Thawne da existência, por que ele não fez uma vasectomia? Certo, ninguém quer falar.

Ainda assim, a premiere do quinto ano consegue nos trazer a quantia certa também de drama, ao mostrar a conversa entre Barry e Iris quando a mesma questiona o motivo principal do velocista querer tanto a volta da filha ao próprio tempo. É nesse momento também que Barry solta uma das últimas frases restantes do período que estava um pouco fora de si no início do quarto ano:

Nora não deveria estar aqui

E é nesse papo que Barry percebe o que todo o momento constrangedor de Iris e Nora significa. Ela cresceu sem o seu ídolo, sem seu pai e assim, atualizando o “jornal do futuro” presente desde a primeira temporada, temos uma nova informação: Após sumir na crise, Barry não retorna. Um jornal mais à frente é apresentado com o título “25 anos depois – Flash ainda desaparecido”

Esse deve ser mais um dos mistérios da nova temporada e que envolve novamente o Flash Reverso, visto que a manchete original mostrava que ambos estão em um luta com envolvimento até de outros heróis e somem em um grande clarão. Iniciam-se aqui, oficialmente, o período de novas teorias da série do Velocista Escarlate.

Após isso, temos uma sequência de cenas que fizeram este fã antigo de Flash suar os olhos. Ver o novo uniforme sair do anel, e depois Barry, Wally e Nora correndo pelas ruas de Central City e usando o portal de Cisco para entrar no avião já me deixaram com uma euforia grande, que conseguiu ser superada quando Nora diz que não conseguiria vibrar o avião para atravessar prédios e Barry relembra as falas daquele Wells/Eobard da primeira temporada, quando o ensinou a atravessar um caminhão. Na sequência, uma das grandiosas cenas dos quadrinhos acontecem e a CW usou muito bem seus recursos com os efeitos: O avião atravessa prédios e uma ponte de Central City e os velocistas pousam a aeronave na água. Não sei o que dizer, apenas sentir esse momento <3

Os grandes momentos não param por aí. Barry deixa que sua filha possa ficar por mais um tempo, em uma tentativa de cuidar dela. Algo que ele sabe que não pôde em um futuro próximo. Eles correm juntos pela cidade para buscar o sorvete preferido enquanto XS diz sua missão: Impedir que seu pai desapareça.

Nas cenas finais, temos a primeira visão do vilão da temporada, que aparece para também mostrar sua missão: Acabar com os metas.

A nota? Foi fácil. 10. Pela primeira vez que dou essa nota. Claro, estou arredondando uma nota 9,75. No mais, o episódio teve timing quase perfeito, agilizando o que precisava ser agilizado, mas segurando o entusiasmo quando precisava também. Somente o velho hábito de derrota do vilão que levou menos tempo, mas o que esperar do momento que três velocistas estão dentro de um avião e o Flash consegue algemá-lo nos primeiros segundos? É óbvio que esse “problema” aparecerá mais vezes, mas já criamos o costume. As cenas do avião atravessando prédios e a ponte me deixaram sem palavras, um trabalho incrível do pessoal de efeitos. O humor e drama característicos foram dosados em uma maneira bem melhor que em outros anos. Além disso, após o fim do episódio, tive aquela velha sensação de “quero mais”. The Flash voltou e eu não conseguiria estar mais feliz que isso.

O próximo episódio de Flash vai ao ar na próxima terça-feira, com o título “Blocked”. Confira uma promo rápida legendada abaixo:

 

Sigam-me os bons: