Crítica: Liga da Justiça

Crítica: Liga da Justiça

O texto a seguir é uma crítica referente ao filme Liga da Justiça. Se você ainda não assistiu, já puxa o freio de mão que vem spoiler daqui pra baixo.

You can’t save the world alone – Pôster oficial de Liga da Justiça

Liga da Justiça (Justice League)
Ano: 2017
Direção: Zack Snyder
Estreia: 15 de novembro de 2017 (BR)
Classificação: 12 anos
Duração: 121 minutos

Assim como o Superman é um farol para o mundo, segundo Bruce Wayne, Liga da Justiça é um farol para o Universo Estendido da DC. O filme é bem montado, possui uma paleta de cores melhor inserida e menos sombria e além de trazer humor em diversas ocasiões, também nos faz sentir a esperança.

O vilão deixou um pouco a desejar, assim como algumas cenas, como os flashbacks de Steppenwolf na primeira batalha pelas Caixas Maternas ou até mesmo a explicação do que elas significavam, o que poderia deixar alguns espectadores confusos. Outro defeito aparente está em algumas montagens de CGI, com o rosto de Henry Cavill perdendo um pouco de sua expressão, um certo excesso de correntes elétricas e o vilão, particularmente bem sintético, sem nem ao menos ter uma melhor montagem na textura em geral.

Outro ponto a se ressaltar é que a Warner deseja consertar alguns dos seus erros se espelhando na concorrente mas ainda assim, mostrar sua identidade própria, se distanciando em muitos momentos, como na dinâmica dos heróis. Embora tenha havido uma ou outra discussão do plano e um quase Ciborgue x Aquaman, os heróis interagiram de uma maneira bem fácil, sem muitas oposições.

A trama do filme é mais leve e bem menos complexa em relação a Homem de Aço e Batman vs. Superman. A motivação do vilão é mais básica e a história mais simples e coesa.

Começamos com uma boa montagem da música ao mostrar o mundo sem guia após a morte do Superman e vemos o Batman na caça dos primeiros parademônios na Terra. Também vemos Diana incrivelmente rápida ao evitar um ataque terrorista na Inglaterra. Nessas cenas, vemos um Batman ciente da necessidade de juntar uma equipe para proteger o mundo, mais esperançoso e uma Mulher Maravilha também ciente de seu heroísmo.

Em sequência, temos a apresentação dos demais personagens: o beberrão e badass Aquaman, o gracioso Barry Allen e o desconfiado Victor “Ciborgue” Stone. Todos com seu espírito único de heroísmo dentro de cada.

Separando um por um, esse Aquaman de Jason Momoa veio para retirar de vez a maré de críticas ao personagem que alguns acham inútil; o Barry Allen de Ezra Miller traz um humor único, sendo o alívio cômico da equipe por muitos momentos e seus “medos” de tudo; o Victor Stone de Ray Fisher traz a inteligência e a parte sombria da equipe, visto que, teoricamente, ele também faleceu.

O vilão: Lobo da Estepe serve como um nêmesis básico para o primeiro filme da equipe. O necessário para que não fosse forçada a união da equipe mas igualmente necessário para a “ressureição” do Superman.

Superman: Mais leve, com a melhor versão que estamos vendo do herói no Universo Estendido da DC. Nos lembra de Christopher Reeve. Possui seu lado divertido, mas ainda assim apelão como o herói sempre foi. O sopro congelante e as porradas e sopapos dados no Lobo da Estepe são prova desse último ponto.

O filme tem até que um bom tempo de tela, sem ficar maçante ou tedioso ficar sentado na poltrona. afinal, Batman vs. Superman teve um tempo maior e pior aproveitado, já Liga da Justiça, como foi bem montado, ficou com um tempo até insuficiente para apresentar os heróis corretamente. Mas isso deve ser deixado para os filmes solo de cada um e então tá tudo bem.

A batalha final do filme foi mais simples, embora tenha usado boa parte da metade final da película. Parecia basicamente um episódio de duas horas da brilhante animação da Liga da Justiça e isso é ótimo. A montagem de alguns cenários e os easter-eggs foram muito bem aplicados. O figurino também deve ser elogiado, sendo inspiração para muitos fãs futuramente.

Posso ser suspeito em falar de nota para um filme da DC mas ele pode não ser um dos melhores filmes da história, mas com certeza é um ótimo entretenimento. Tem seus momentos cômicos, seu olhar de necessidade de uma equipe de super-heróis e um elenco bem integrado, o que faz com que alguns erros de efeitos possam ficar um pouco de lado. O Tio Du recomenda e dá uma ótima nota 9, na esperança de que o Universo Estendido da DC possa continuar em sua melhoria por muito tempo.

Coloque uma mesa grande no meio, com seis lugares… com espaço para mais…

Sigam-me os bons: